Empréstimo consignado para funcionários privados

O crédito consignado, ou como é popularmente conhecido empréstimo consignado é considerada uma prática recente no Brasil, e está concentrado principalmente nas instituições financeiras do setor público. Este é um empréstimo que consiste em descontar as parcelas a serem pagas diretamente da folha de pagamento dos servidores públicos, e no caso dos aposentados têm o empréstimo descontando nos benefícios que recebem.

Esta modalidade de empréstimo pessoal chama atenção das pessoas por ter taxas de juros mais baixas e pela facilidade de descontar diretamente do pagamento. Apesar de ser conhecido por estar presente nas instituições públicas, muitas empresas privadas passaram a disponibilizar esta facilidade a seus funcionários.

Como fazer empréstimo consignado para funcionário privado

Entre as principais instituições financeiras que realizam esta modalidade de empréstimo estão: Banco BMG, BV Financeira, Banco do Brasil, Banco Intermedium, Itaú, Caixa Econômica Federal, Santander e Bradesco dentre outros. O que os bancos fazem é oferecer uma parceria com as empresas privadas, desta forma podem fornecer esta modalidade de empréstimo aos funcionários do setor privado.

Esta linha de crédito costuma ser aberta para funcionários regidos pela CLT, e servidores públicos que tenham convênio com os bancos privados como Itaú, Bradesco entre outros. Um empréstimo como desconto em folha disponibilizada também para beneficiários do INSS nos bancos privados. O primeiro passo para um funcionário de empresa privada contratar o consignado é verificar com qual banco sua empresa tem convênio e se esta opção está disponível.

Nesta linha de empréstimo consignado para funcionário privado é possível comprometer até 30% do salário liquido mensal nas prestações. Um exemplo de empréstimo consignado é o oferecido pelo banco Itaú, os prazos são de 2 a 36 meses para os funcionários privados pagarem. Pensionistas do INSS estão isentos da TAC – Tarifa de Abertura Crédito. Este tipo de empréstimo é aconselhável principalmente para aqueles que pretendem quitar as despesas do cartão de crédito e não possuem o valor em curto prazo. Os juros do cartão são mais altos do que o consignado.

O empréstimo é um recurso cabível também para aqueles que precisam pagar alguma divida urgente, ou dar entrada em bens como imóveis ou veículos. O cheque especial também possui taxas e juros mais altos que esta modalidade de empréstimo. Este é um empréstimo que deve ser feito avaliando a sua necessidade e condições de pagamento e taxas assim como outros empréstimos.

Informações para fazer empréstimo consignado

O Itaú e outros bancos devem seguir a legislação que diz que deve ser disponibilizado empréstimo cujo valor das prestações não ultrapassem o limite de 30% do salário liquido. Os aposentados e pensionistas do INSS têm a disponibilidade de até 60 meses para pagar em bancos como o Itaú. Para funcionários de empresas e servidores públicos pode ser pago em até 48 meses, com pagamento da primeira parcela em até 60 dias.

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) determina algumas regras para este tipo de empréstimo que deve ser observado na hora da contratação. A contratação não pode ser feita por telefone, apenas na agência, e não pode ser cobrado a TAC (Tarifa de Abertura de Crédito). No site www.previdencia.gov.br é possível verificar que bancos estão credenciados no INSS antes da contratação.

A mensalidade não pode passar dos 30% do salário ou benefício líquido, e o prazo máximo de pagamento é 60 meses. No caso dos pensionistas do INSS a taxa máxima estabelecida já deve estar inclusa em todos os custos da operação, o mesmo vale para o cartão consignado. Os bancos e instituições financeiras são obrigados a emitir, em 48 horas, boleto ou documento de pagamento detalhado quando o beneficiário desejar pagar antecipadamente todo o empréstimo.

O limite mensal do empréstimo não pode ultrapassar o equivalente a duas vezes o valor do salário ou benefício do segurado, e a parcela não pode ser maior do que 10% do benefício líquido. No caso do cartão não pode haver emissão ou aumento do limite sem a solicitação do consumidor, e as taxas cobradas podem ser parceladas em até três vezes. É proibida a cobrança de taxa de manutenção ou anuidade.


Comente »