Financiamento de veículos: entenda como funciona

Redação Guia Empréstimos January 15, 2013 0

O Brasil já o quinto país no ranking de consumo de veículos, perdendo apenas para Estados Unidos, Alemanha, China e Japão.

Com o crescimento da classe chamada “C” ter seu próprio veículo passou a ser realidade. Isso graças a facilidade em fazer financiamento para veículos.

A maioria da população brasileira ainda não tem condições de comprar um carro à vista, e a solução é parcelar a compra através do financiamento.

Conhecendo o financiamento para veículos

O financiamento é uma espécie de compra parcelada através de um empréstimo. O cliente escolhe o veículo e então solicita para uma instituição financeira financiá-lo, ou seja, a instituição paga para a loja ou concessionária e o cliente paga as parcelas do veículo para a instituição financeira (bancos e instituições de crédito). Existem diversos modelos de financiamento sendo eles: crédito direto ao consumidor (CDC), Leasing, consórcio.

Antes de fazer seu financiamento é preciso se planejar. Assim, muitas instituições financeiras dispõem em seus sites o simulador de financiamento de veículos, uma ferramenta que permite que o futuro comprador coloque quanto poderia dar de entrada e qual modelo de veículo, esses dados são cruzados e é mostrado uma estimativa das parcelas que serão pagas.

Independente do modelo de financiamento escolhido é importante saber que carros novos acabam tendo uma taxa de juros mais baixas, por ser um bem que caso a financiadora tenha que pegar de volta por inadimplência do pagamento das parcelas, seu valor no mercado será maior que a de um usado.

Modelos de financiamento de automóvel

Os sistemas de financiamento para carros no mercado brasileiro hoje são crédito direto ao consumidor (CDC), Leasing, consórcio. O mais utilizado, por pelo menos 52% dos compradores hoje é o CDC. Este financiamento é para quem tem pressa e quer ter o veiculo em seu nome. Fornecido pelas instituições financeiras e algumas montadoras, a sua desvantagem fica por ter a taxa de juros mais alta do mercado. Para este caso é bom comparar preços e locais, as montadoras costumam oferecer um financiamento mais baixo.

Devido ao aumento no número de inadimplentes as entradas para este financiamento aumentaram e o número de parcelas diminuiu. A vantagem deste empréstimo é que além do veiculo ficar no nome do proprietário é possível quitar as parcelas a qualquer momento.

O Leasing é uma espécie de locação do veículo. A instituição financeira compra o carro que o cliente escolheu, e ele paga um aluguel pela utilização, o carro fica no nome da instituição. O cliente fica obrigado fazer um seguro, e as parcelas duram de 24 a 32 meses, e a permanência mínima é de 24 meses. Pouco utilizado, mas tem algumas das taxas mais baixas hoje. No final do contrato o cliente pode renovar o contrato, comprar o veículo ou devolver para a instituição.

O financiamento mais recomendando, mas é feito para aqueles que não tem pressa é o consórcio. Suas taxas são mais baixas que a do leasing e do CDC. Neste sistema um grupo de pessoas paga mensalmente um valor que equivale ao total do veículo todo mês e então acontece um sorteio e uma das pessoas é contemplada, uma por sorteio outra por leilão. No final todos saem com seu carro.

Onde fazer financiamento de carro?

Alguns exemplos de instituições financeiras que realizam os financiamentos são Caixa, Itaú, Santander (Webmotors), Bradesco, Banco do Brasil, PanAmericano entre outros. O financiamento pela Caixa é um dos mais tradicionais.

Nos bancos citados anteriormente, correntistas costumam ter mais vantagens e pagar juros de menor valor. Um exemplo de simulação é o de um carro 0Km no site da https://www.webmotors.com.br/. Um veículo no valor de R$ 30.000,00 pagando uma entrada de R$ 10.000,00, com uma taxa de juros de 1,45%a.m feito em 48 vezes sai com prestações de R$ 608,00.

Cada veículo dependendo do valor e da instituição financeira precisa de um pagamento mínimo de entrada, no caso da WebMotors é calculado com uma entrada de no mínimo 20% no valor do carro. Portanto ao financiar o veiculo acaba saindo por um valor maior do que o valor a vista. A recomendação é realizar o financiamento apenas nos casos em que se possa dar um bom valor de entrada e se tenha uma previsão de quitar as parcelas antes do prazo determinado.


Comente »